Após a prescrição legal, dívidas no SPC/Serasa podem ser cobradas?

Ainda que haja prescrição legal e o seu CPF esteja “limpo” novamente.

O CPF pode estar “sujo” no SPC ou Serasa quando o indivíduo não quitar suas dívidas, e assim, for considerado como inadimplente.

Contudo, estar com o nome sujo vai muito além da restrição para créditos e financiamentos, visto que esta “marca” sempre estará vinculada ao nome do indivíduo, ainda que haja a prescrição legal da dívida.

Após a prescrição legal, dívidas no SPC/Serasa podem ser cobradas?

Após a prescrição legal, dívidas no SPC/Serasa podem ser cobradas?

O que é a prescrição legal de uma dívida?

Quando o seu nome/CPF são consultados no SPC e Serasa, algumas “pendências” financeiras podem aparecer. Porém, você sabia que elas têm duração limitada?

Após 5 anos, uma inadimplência deve “sumir” do CPF do indivíduo, embora isso não seja suficiente para ela ser apagada totalmente do histórico financeiro. Popularmente, isso é conhecido quando a “dívida caduca“.

Confira também:

Mesmo após a prescrição legal, é preciso pagar a dívida?

Sim. Ainda que haja prescrição legal e o seu CPF esteja “limpo” novamente, é necessário quitar a dívida. Especialmente porque o credor tem a autonomia de realizar a cobrança amigável em qualquer momento.

Legalmente esta atitude é válida, e portanto, a cobrança pode ser feita em qualquer momento, mesmo que a dívida tenha sido prescrita. Enfim, em muitas vezes, a dívida é vendida para empresas especializadas em cobranças.

Além disso, deve-se lembrar de que as dívidas impactam de forma negativa no score do individuo – que é a “nota” dada ao consumidor, conforme o pagamento de suas contas, inadimplências, e muito mais. Além disso, as dívidas ainda aparecerão no SCR, apontadas como prejuízo pelo seu credor.

Como resolver?

Não há duvidas que a melhor escolha, sempre, seja pagar suas contas em dia e assim evitar pendências financeiras. Entretanto, quando o atraso for inevitável, cabe ao consumidor tentar negociar a dívida, mesmo após a prescrição legal.

É possível fazer isso através do seu parcelamento, abate de juros, e muito mais. Por fim, quando houver dificuldades para resolver o conflito, pode-se pedir apoio judicial.

Ademais, além de “livrar-se” do problema, aumentam-se as chances de conseguir um financiamento, cartões de crédito e diversas outras modalidades de empréstimo do mercado.

Lembre-se de investir em um planejamento financeiro e organizar-se da maneira adequada. Especialmente porque evita o atraso dos pagamentos, e consequentemente, todos os problemas atrelados a inadimplência!